segunda-feira, 15 de junho de 2009

Mal de Parkinson.












A doença (mal) de Parkinson, que acomete usualmente indivíduos acima de 50 anos, é uma doença degenerativa do cérebro que se caracteriza por uma desordem do sistema motor, da fala e outras funções. Por persistir por um longo período de tempo e durante este ter seus sintomas  acentuados é considerada uma doença crônica progressiva. 

Os principais sintomas resultados desta doença são: rigidez muscular ( região do tronco e membros), tremor dos membros e face, bradicinesia ( lentidão na capacidade de iniciar e continuar movimentos), instabilidade postural e sintomas neuropsíquicos, como  demência, depressão, perda de memória, alteração de humor e comportamento.

Os sintomas são resultantes da morte de neurônios secretores de dopamina da substancia negra do cérebro, porção heterogenia do mesencéfalo.  O motivo para a morte destas células está relacionado ao fato de que a alpha-synuclein se acumula na célula e esta reage com ubiquitin  formando aglomerados de proteínas, pois não são direcionados aos proteossomas para serem degradados. Estes aglomerados de proteínas que são desenvolvidos no interior de células nervosas são denominados corpúsculos de Lewy.

A partir dai pode-se compreender os motivos dos sintomas.  A substancia negra interage com o núcleo do tálamo, que manda estímulos positivos paro o córtex motor . Tendo uma lesão ou problema na produção de dopamina, o circuito que comunica estas duas partes do cérebro não se estabeleceria de maneira eficiente e assim haveria um distúrbio, assim explicando os sintomas da doença.

Por ser uma doença idiopática, que não se sabe exatamente quais são as causas, é difícil dizer quais são seus motivos, mas existem fatores  que podem estar relacionados ao surgimentos desta ao longo da vida. Fatores relacionados a genes, que determinam o aparecimento de Parkinson, foram detectados, a toxinas, como pesticidas, metais e substancias capazes de causar sintomas do Parkinson e a traumas na cabeça, pois dependendo da gravidade deste acidente a probabilidade de a doença ocorrer ser 10 vezes maior que o normal.

            Parkinson é uma doença que não tem cura, porem por meio de medicamentos ou intervenção cirúrgica é possível amenizar os sintomas do paciente. Os métodos de atuação destes medicamentos são muito variados, tendo remédios que tem similaridade ou que são convertidos a dopamina e outros que contêm os tremores e a rigidez. Além disso é possível, por meio de estimulação do cérebro com eletrodos, a redução destes sintomas.

            Pesquisas com a finalidade de achar uma cura ou ao menos melhores condições aos pacientes envolvem a terapia gênica, o transplante neuronal, a utilização de nutrientes. Esses estando ainda em fase de teste.


Referências Bibliográficas:

http://www.ninds.nih.gov/disorders/parkinsons_disease/parkinsons_disease.htm

http://www.holistic-online.com/images/PD-ama-schematic1.GIF


Postado por:

Thiago Henrique de Moraes Modesto e 

Rachel Maria de Souza Soares.


Um comentário:

  1. Bee Venom Therapy May Help Treat Parkinson's Disease, Alzheimer's, ALS
    Effects of Bee Venom on Glutamate-Induced Toxicity in Neuronal and Glial Cells
    Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine
    http://www.hindawi.com/journals/ecam/aip/368196.pdf
    Carlos Eduardo Carvalho dos Santos
    Naturoterapêuta/Apiterapêuta - CRT 24194
    Comisión Apiterapia Apimondia CAA nº433/02
    SBA (Sociedade Brasileira de Apiterapia)
    Delegado Regional-Estado de São Paulo
    CONSUTATEH - Consultório Apis Terapia Holística
    www.apiterapiaholistica.blogspot.com
    www.fotolog.terra.com.br/apiterapiaholistica
    E-mail: terapiasnaturais@uol.com.br
    Tel.Cel (15) 9716-8042)

    ResponderExcluir